Geraldo Kuster

Apaixonado por Tecnologia – Embaixador Fedora – Lider Regional Ubuntu

Fim do Software Livre Brasil Será? Porque? —

        Nas ultimas semanas se fala muito da noticia que o governo vai voltar atrás da sua politica de uso do software livre será que a culpa não é do software livre mesmo?

        Particularmente acho que a culpa do software livre ter um crescimento tão a quem do que seria bom e de todos nos IMHO, explico a comunidade em vez de focar em versões originais como Debian, Slackware e Redhat que se não me falhe a memorias foram as primeiras, me corrijam os mais sábios no assunto.

        As comunidade preferiram cada um criar a distribuição que mais lhe agrada criando diversas distros e diversos seguidores (não que isso seja errado pelo contrario essa e a beleza do SL) mais que de certa forma se esqueceram de focam no interesse de fortalecer o uso do Linux e muitas vezes prejudicavam criando conflitos entre distros Slackware x Ubuntu x Fedora x Suse, etc.

        O Ubuntu em particular errou em ter permitido o “corporativismo” se posso chamar assim pois permitiu a entrada de códigos de rastreio em suas distros segundo alguns padrões utilizados pelas empresas privadas para achar conteúdos para seus usuário como  Google o faz.

        Não quero defender aqui nenhuma distro especifica, mais ao criticar o Ubuntu como fizeram massivamente algumas comunidades nos últimos 2 anos inclusive o tirando do FLISOL, reduziu pelo menos na minha perspectiva o acesso ao Linux para leigos de carteirinha que é o foco desta distribuição, estou tirando por experiencia própria que apesar de ser pouca me fez notar pois alguns clientes que consegui adaptar ao Ubuntu, quando tentei implantar novas distros voltaram para o Windows.

        Não quero aqui defender o corporativismo da Microsoft que com seu Windows 10 praticamente “de graça” devo colocar mais aspas aqui? rsrs, para quem ja tinha o windows 7 conseguiu uma enchurrada de novos adeptos.

        Acho que a comunidade não deve perder o foco em SL acho que distros que usam códigos proprietários para facilitar a vida dos seus usuários não devem ser condenadas e sim apoiadas para que não precisem destas artimanhas, a culpa muitas vezes e do mercado por exemplo tenta pegar um notebook da Vaio e instalar o Redhat ou o Slackware e praticamente impossível sem usar ao menos um drive proprietário.

        Ainda temos o pensamento de alguns, se você quer usar Linux compre o hardware adequado, ótimo para quem pode, me lembro de um membro da comunidade do Ubuntu-Br que tinha condições de ter apenas um notebook se não me falhe a memoria um Acer tela de 14 quadrada daqueles primeiros notebooks que ate a tela tinha uma faixa preta no meio, mais era o que ele podia ter e o Ubuntu permitiu ele ter e fazer parte se não me falhe a memoria novamente do grupo de tradução, com um notebook que precisava de quase todos os drivers proprietários.

        A comunidade do Libre Office e criticada por muitos e ajudada por poucos , e só um exemplo porque o problema não se trata apenas das distribuições.

        Desculpem se alguém não concorda estou apenas dando minha opinião não quero agredir ninguém.

        Esclarecendo a matéria temos um video muito bom do DioLinux neste video vemos que o que está acontecendo e algo que sempre aconteceu nada e novidade só veio a tona for falta de informação das pessoas que não leem e nem vão atrás da verdade.

Abraço


Ransomwares – O que são e como evitá-los —

hanso

Recentemente uma grande empresa de soluções de segurança divulgou um estudo que aponta o Brasil como um dos maiores propagadores de vírus do mundo. Somos o décimo país no ranking mundial e o primeiro na América Latina. Muito disso se deve aos hábitos dos usuários de internet no país, que costumam ser descuidados na hora de abrir e compartilhar informações, mesmo que manualmente.

Mais preocupante do que esse cenário, é o fato de que, nós brasileiros, somos a população mais exposta a um tipo de vírus que vem causando muitos transtornos em usuários domésticos e corporativos – os ransomwares.

Trata-se de uma categoria de malware – aplicações maliciosas que acessam sistemas clandestinamente – que, literalmente, sequestram os dados do computador infectado. O vírus criptografa, com códigos fortíssimos, todas as informações do usuário. Em seguida, cyber-criminosos cobram o resgate dos dados, normalmente via bitcoins ou outras operações não rastreáveis.

Apesar do recente crescimento de dificuldades ocasionadas pelos ransomwares – a incidência deste tipo de ataque aumentou 35% em 2015, de acordo com o mesmo estudo anteriormente citado – o problema não é novo. A primeira vez que um caso de sequestro de dados foi sinalizado, foi em 1989.

Porém, foi somente na última década que o termo ganhou atenção especial, graças a um vírus conhecido como Gpcode. De lá para cá, uma infinidade de novos ransomwares foi criada no mundo da tecnologia, como o Simplocker, que afeta dispositivos Android, e o temido Cryptolocker, que ataca o sistema Windows.

O risco que essas ameaças representam, sobretudo às empresas, é imenso. Portanto, os dados e informações de uma empresa devem ser tratados como um ativo valioso. Medidas básicas de proteção como, manter os softwares atualizados, o firewall ativado e evitar clicar em e-mails e programas estranhos, podem ajudar a evitar uma grande dor de cabeça.

No entanto, de acordo com Thiago Madeira de Lima, Diretor Executivo da Penso Tecnologia, a melhor prevenção contra os ransomwares ainda é o bom e velho backup. “É importante conscientizar os gestores de negócios que a cópia periódica de arquivos importantes em um serviço de nuvem seguro garante que não haverá problemas maiores no caso de uma infecção do sistema físico da empresa” diz Lima.

Se prevenir contra vírus, especialmente ransomwares, pode ser determinante para a saúde de um negócio. A proteção ideal para dados e informações corporativas não requer um alto investimento. O Diretor Executivo concorda e complementa: “Com a oferta existente de serviços de nuvem e contando com um suporte de TI de confiança, não há razões para deixar o backup de lado”.

Fonte: Penso Tecnologia


Novos Rumos —

Para abranger mais áreas visando o mercado híbrido em que as empresas se encontram retorno minha jornada de certificações, vou a partir de hoje me preparar para certificação do Microsoft Windows Server 2012.

mcsa-windows-server-2012-trainingAproveitarei para reportar aqui os métodos de estudo e as ferramentas que serão utilizadas.

 


Instalando a versão beta do Google Web Designer no Fedora 20 —

GoogleWebdesign

O Google disponibilizou na semanada passada uma versão beta do Google Web Designer, ferramenta utilizada para a criação de conteúdo interativo em HTML5, para algumas distribuições Linux. Com o Google Web Designer é possível criar desenhos, banners, objetos 3D, adicionar animações e Google Fonts diretamente na interface do programa.

Embora já esteja disponível em português, a aplicação ainda não está nos repositórios oficiais então não terá updates automáticos como nos outros produtos do Google, como o Chrome. Portanto, é necessário que se faça o download do software diretamente no site, que está disponível para as seguintes distribuições: Ubuntu, Debian, OpenSUSE e Fedora.

Para instalar a ferramenta é muito simples: após fazer o download no site referente à arquitetura do seu computador (32 ou 64 bits), basta seguir os passos descritos abaixo.

Na tela inicial do site clique em “Download Web Design Beta” feito isso escolha a arquitetura para o download.

GoogleWebAgree

Após baixar no console execute a instalação:

sudo yum install google-webdesigner_current_i386.rpm

GoogleWebdesignComeço      Você verá a seguinte tela apos alguns instantes:

CapturaFinalGoogle-WebdesignPronto! pode executar pelos aplicativos do Fedora.


FLISOL 2014 —

    No ultimo dia 26 a partir das 08h o Potilivre (potilivre.org) realizou no IFRN (Instituto Federal de Educação Cientifica e Tecnológica do Rio Grande do Norte) mais uma edição do FLISOL.

1010719_4036742612810_6281409816773514317_n10294351_4036738132698_5527169405325782389_n

    Está e a quarta que participo e a terceira auxiliando a organização, tivemos este ano 400 inscritos para participar de diversas palestras e minicursos em um ambiente super agradável.

10173716_4036738492707_3417468900078135505_n

    Dentre as palestras apresentadas estava a nossa que foi sobre o SIG Fedora Server que venho acompanhando já a alguns meses e acho um trabalho fantástico, o Amador Pahin que também é embaixador Fedora estava presente mais que me ajudando na palestra.

10330356_752010514844374_432906776856445230_n

    Tivemos um belíssimo hackspace com arduino e impressora 3D, nesse evento tivemos uma ótima distribuição de presentes dos nossos patrocinadores como livros e outros itens enviados pela Red Hat.

10308321_762459690455637_4335109048181567192_n10245513_762458233789116_9138798705398333041_n

10172730_4036737492682_2344815105237740515_n

    Os Embaixadores do Fedora bem como os outros membros do Grupo Potilivre tiveram uma participação de extrema importância na realização do evento que contou com a presença de aproximadamente 180 pessoas.

Viva e Fedora! Viva o Software Livre!


Web Designe Software Livre: uma combinação possível! —

Já me deparei inúmeras vezes com essa pergunta sempre que pensava em migrar minha estação de trabalho para o SO Linux “É Possível Trabalhar com Design Web no Linux?” Porque nos deparamos com essa pergun­ta? digo “nós” pois já vi vários relatos nos fóruns em que o usuário que trabalha com design tem dificuldades em suas migrações.

Então decidi buscar possibilidades, oportu­nidades e ferramentas para que eu pudesse tra­ balhar com o que gosto de fazer, utilizando o sistema operacional da minha preferência, então decidi separar os componentes que utilizamos para design web e compará­los com os disponí­veis para a plataforma livre e então pesar as di­ferenças e só assim identificar se é ou não possível trabalhar com Linux e Web Design.

Read the rest of this entry »


Corrigindo Falta de Audio Fedora 20 —

Se você atualizou o Fedora para o 20 e ficou sem áudio pode ser apenas configuração no alsa, digite no terminal.

alsamixer

Se aparecer essa tela apenas com um controle:

Alsamixer1

Precione “F6” e selecione a sua placa de rede:

Alsamixer2

Depois disso aparecera a seguinte tela remova as opções de mute que estejam marcadas e eleve todos os controle.

Alsamixer3

Feito isso precione “Esc”para retornar ao terminal e digite:

alsactl store

Feito isso a configuração está salva.


Forum de Perguntas do Projeto Fedora em Portugues! —

Foi lançado no inicio deste mês o fórum oficial do Fedora em Português o qual tenho o orgulho de sr moderador e está disponível para todos no link oficial do projeto Ask em: https://ask.fedoraproject.org.

Decidimos disponibilizar em outros idiomas também para evitar a descentralização do conteúdo e unir mais a nossa comunidade.

Com isso, em alguns meses ocorrerá a desativação do fórum antigo.

Portanto Pergunte ao Fedora 😉

https://ask.fedoraproject.org